Saúde na Lapa altera fluxo de atendimento a sintomas da Covid-19 e H3N2
14/01/2022 11:10 em Saúde

A partir das 8 horas da manhã do próximo domingo (16), o atendimento ambulatorial e as coletas de exame de swab serão realizados no antigo Hospital de Campanha, na Rua Octávio José Kuss, próximo ao Supermercado Condor. O funcionamento será 24 horas. A ideia é transferir o fluxo na Unidade de Pronto Atendimento Municipal (UPA), que, assim como em todo Brasil e dos demais Municípios do Estado do Paraná, teve um aumento considerável na procura.

A Secretaria Municipal de Saúde da Lapa anunciou nesta quinta-feira (13) que fará alteração no fluxograma de atendimento à população que apresenta sintomas gripais, suspeitos ou confirmados ao coronavírus.

Apesar do Município registrar um alto número de novas contaminações nos últimos dias, graças à eficácia comprovada da vacinação, os pacientes apresentam apenas sintomas leves da doença ou, em sua grande maioria, são assintomáticos.

Conforme orientação do Prefeito Diego Ribas, a mudança é necessária principalmente para separar o fluxo de pacientes com sintomas gripais ou que buscam pela unidade para a realização da coleta do exame com os demais, com outras patologias clínicas. 

No local serão realizados atendimentos ambulatoriais, exames e distribuição de medicamentos. A estrutura também será readaptada para dar suporte a eventuais casos moderados e graves da doença.

A decisão leva em conta o monitoramento diário realizado pela pasta e reforçada com a declaração feita essa semana pelo Secretário de Estado de Saúde Beto Preto sobre a epidemia de H3N2 no Paraná.

Quadro Epidemiológico:

Nesta quinta-feira (13) o quadro epidemiológico do município apresenta 212 pessoas com o vírus em atividade no organismo. Na UPA, nas últimas 24 horas não houve a necessidade de transferência para internamento de nenhum paciente. Todos se recuperam cumprindo isolamento domiciliar, recebendo acompanhamento.

O Hospital de Campanha:

No dia 01 de dezembro de 2021, o encerramento das atividades no Hospital de Campanha se deu devido ao cenário epidemiológico, que à época mostrava mais de 70% da população vacinada com a segunda dose da vacina anticovid, média de 3 pessoas com o vírus em atividade no organismo e nenhum paciente necessitando de internamento. Naquele momento eram realizadas em média 5 coletas de swab ao dia e um baixíssimo fluxo de atendimento.

 

 

COMENTÁRIOS